Operadores argumentativos: o que são, exercícios, exemplos – UOL

Operadores argumentativos: o que são, exercícios, exemplos – UOL

Os operadores argumentativos são palavras ou expressões fundamentais para a coesão textual, ou seja, para a ligação entre as diversas orações, períodos e parágrafos que existem em um texto. Eles são responsáveis por articular as partes do texto, conferindo a elas a intenção desejada pelo autor.         

Função

A função dos operadores argumentativos é estabelecer uma ligação entre as orações, períodos ou até mesmo parágrafos de um texto. Eles são fundamentais para a unidade textual, haja vista que é por meio de tais operadores que as partes do texto relacionam-se.

Leia também: Textos sem coesão: Entenda como isso pode acontecer!

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Tipos

Existem centenas de operadores argumentativos, e a língua, em seu uso, cria tantos outros nos diversos processos comunicativos. Entretanto, existem alguns desses operadores que valem a pena ter sempre em mente:

  • Operadores de oposição: são aqueles que interligam ideias que se contrapõem.

São eles: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto, senão, embora, conquanto, ainda que, mesmo que, mesmo quando, apesar de que, se bem que, malgrado, não obstante, inobstante, em que pese etc.

Eu gosto de sorvete, MAS estou gripado.

  • Operadores de adição: são aqueles que aglutinam trechos com sentidos complementares, que não se contrapõem. São eles: e, nem, também, não só… mas também, mas ainda, como também, ademais, outrossim, além disso etc.

Eu NÃO SÓ vou ficar, MAS TAMBÉM dormirei aqui.

  • Operadores de conclusão: são aqueles que denotam uma conclusão em relação ao que foi dito anteriormente. São eles: logo, portanto, então, assim, enfim, consequentemente, por isso, por conseguinte, de modo que, por fim etc.

Eu não tenho dinheiro. LOGO, não irei sair hoje.

  • Operadores de explicação:  são os operadores que representam uma explicação sobre o que foi citado antes. São eles: pois, porque, que, porquanto etc.

Eu não posso comer lasanha, POIS tenho alergia a queijo.

  • Operadores de conformidade: são aqueles que fazem referência a algo ou alguém. São eles: conforme, como, segundo, consoante, de acordo com etc.

SEGUNDO Paulo Freire, ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.

  • Operadores de condição: sugerem uma condição para a realização de algo. Exemplos: se, caso, desde que, contanto que, exceto se, salvo se, a menos que, a não ser que, sem que, uma vez que (com o verbo no subjuntivo) etc.

SE fizer bom tempo amanhã, eu vou.

  • Operadores de finalidade: são aqueles que denotam a razão pela qual algo acontece. Exemplos: a fim de que, para que, com o fito de, que, porque (= para que) etc.

Eu bebo água A FIM DE QUE não fique desidratado.

  • Operadores de comparação: tais operadores constroem uma comparação entre duas sentenças. Exemplos: mais que, menos que, tão… quanto, tão… como, tanto… quanto, tão… como, tal qual, da mesma forma, da mesma maneira etc.

Um passeio no parque é MAIS agradável QUE sair para festas.

  • Operadores de consequência: são aqueles que denotam uma relação de consequência em relação a determinado ato. Exemplos: tão… que, tal… que, tanto… que, tamanho… que, de forma que, de modo que, de sorte que, de maneira que etc.

O grito foi TÃO alto QUE acordou toda a vizinhança.

  • Operadores de alternância: são os que apresentam uma relação de alternância entre dois polos. Exemplos: ou… ou, ora… ora, já… já, não… nem, quer… quer, seja… seja, talvez… talvez etc.

 ORA quero dormir, ORA comer.

  • Operadores de proporção, simultaneidade: são aqueles que sugerem uma relação de proporcionalidade entre os elementos interligados. Exemplos: à medida que, à proporção que, ao passo que, quanto mais, quanto menos etc.

À MEDIDA QUE estudo, me torno mais inteligente.

Leia também: Como escrever um parágrafo?

Exemplos

Para compreender bem o que são os operadores argumentativos, é interessante observar como essas ferramentas linguísticas são observadas na prática. Acompanhe a análise do caso abaixo.

A expressão “MAS”, na frase “Maria quer sair, MAS vai chover” é considerado um operador argumentativo de oposição, pois liga a oração “Maria quer sair” àquela que diz “vai chover”. No caso, por conta do uso do MAS, fica parecendo que Maria não poderá sair devido ao fato de chover.

É interessante notar que, se trocássemos o operador MAS pelo operador POIS, teríamos: “Maria quer sair, POIS vai chover”. Repare, o sentido da frase mudou completamente: agora parece que Maria quer sair justamente porque irá chover.

Leia também: Cinco erros de português e como evitá-los

Exercícios resolvidos

1. Escreva qual é o operador argumentativo presente em cada uma das frases abaixo:

a) Carlos correu vinte quilômetros, mas não bateu o recorde.

b) Preciso sair, pois tenho uma reunião agora.

c) Você não só permanecerá no emprego, mas também receberá um aumento.

d) Conforme combinaram, os três homens partiram para o carnaval.

RESOLUÇÃO:

  1. MAS;
  2. POIS;
  3. NÃO SÓ… MAS TAMBÉM.;
  4. CONFORME.

2. (Enem)

O mundo é grande

O mundo é grande e cabe

Nesta janela sobre o mar.

O mar é grande e cabe

Na cama e no colchão de amar.

O amor é grande e cabe

No breve espaço de beijar.

(ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983)

Nesse poema, o poeta realizou uma opção estilística: a reiteração de determinadas construções e expressões linguísticas, como o uso da mesma conjunção para estabelecer a relação entre as frases. Essa conjunção estabelece, entre as ideias relacionadas, um sentido de:

a) comparação

b) conclusão.

c) oposição.

d) alternância.

e) finalidade.

RESOLUÇÃO: [C] A repetição da conjunção E, que tem função, nesse contexto, de operador argumentativo de oposição, faz da alternativa C aquela que está correta. Para confirmar, podemos substituir a conjunção E por outra também de oposição, tal qual o operador MAS. Nesse caso, teríamos “o mundo é grande MAS cabe / nesta janela” ou ainda “o mar é grande MAS cabe/ na cama e no colchão de amar”. Nos dois casos, é possível perceber que o sentido se mantém e, então, fica como correta a letra C.

Fonte Oficial: UOL.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Notícias do Enem.

Comentários

Você talvez goste também de

Paralisação nacional na educação: oito polêmicas de Bolsonaro no setor – 14/05/2019 – UOL

Estudantes farão nesta quarta-feira protesto nacional contra cortes