MPF pede esclarecimentos ao Inep sobre comissão que vai fiscalizar o conteúdo do Enem | Educação – G1

MPF pede esclarecimentos ao Inep sobre comissão que vai fiscalizar o conteúdo do Enem | Educação – G1

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal (MPF), enviou nesta quinta-feira (21) ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) um ofício pedindo esclarecimentos sobre a comissão criada nesta semana para fazer uma “leitura transversal” das questões que compõem o Banco Nacional de Itens do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O objetivo da comissão, segundo o Inep, é “verificar a sua pertinência com a realidade social”. O resultado do trabalho não será divulgado. A procuradora determinou um prazo de cinco dias para que o Inep envie a resposta e “toda a documentação pertinente”.

Procurado pelo G1, o Inep afirmou que “recebeu o ofício da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão e o responderá tempestivamente, dentro do prazo estipulado de cinco dias”. A autarquia também afirmou que a comissão já deu início à análise das questões nesta quinta e encaminhou links para a portaria publicada na quarta (20) e a nota técnica que detalha as regras.

No ofício, a procuradora federal Deborah Duprat usa uma regra que consta em portaria publicada pelo próprio Inep em 2017 para solicitar esclarecimentos a respeito das motivações para a criação da comissão.

Duprat considerou a “leitura transversal” do banco de itens um “propósito extremamente vago” para verificar se os itens são pertinentes com “a realidade social, de modo a assegurar um perfil consensual do exame”. E ainda citou uma jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre “abuso de poder”, na qual o STF afirma que “o Estado não pode, no desempenho de suas atribuições, dar causa à instauração de situações normativas que comprometam e afetem os fins que regem a prática da função de legislar”.

Trecho do ofício enviado pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do MPF, ao Inep, sobre a comissão de fiscalização das questões do Enem — Foto: ReproduçãoTrecho do ofício enviado pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do MPF, ao Inep, sobre a comissão de fiscalização das questões do Enem — Foto: Reprodução

Trecho do ofício enviado pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do MPF, ao Inep, sobre a comissão de fiscalização das questões do Enem — Foto: Reprodução

Ela também afirma que, segundo uma portaria do próprio Inep, a autarquia deve realizar avaliações contínuas do processo de realização do Enem, com articulação permanente com especialistas em avaliação educacional e instituições de educação superior, mas que essa mesma portaria determina que “a avaliação do Enem se dá a partir dos seus resultados anteriores”.

No documento, a procuradora solicita quatro informações ao presidente do Inep, Marcus Vinicius Carvalho Rodrigues:

  1. Quais foram as avaliações realizadas em relação ao “que levaram à conclusão da necessidade de adoção da etapa técnica de revisão de itens da BNI denominada ‘leitura transversal'”;
  2. Quais foram profissionais especialistas em avaliação educacional e quais instituições de educação superior participaram dessa avaliação;
  3. Quais os critérios sugeridos nessa avaliação para análise da pertinência dos itens da BNI “com a realidade social, de modo a assegurar um perfil consensual do Exame”;
  4. Qual é a qualificação técnica e profissional dos membros da comissão instituída nesta semana.

Na nota técnica divulgada pelo Inep nesta quinta, assinada por Paulo Cesar Teixeira, diretor Avaliação da Educação Básica, o órgão diz que a leitural transversal dos itens do Enem faz parte de uma “rotina fundamental para a construção do exame”, e que ela “pode acontecer previamente à montagem do instrumento, com vistas a diminuir os riscos de se promover alterações na prova após o término de sua montagem”.

Ainda segundo o Inep, “alterações que decorram depois do instrumento montado e itens escolhidos podem modificar todo o desenho psicométrico da prova, o que implica em retrabalho técnico”.

A nota diz também que “a leitura transversal é uma etapa técnica de revisão de itens, cujo objetivo é identificar abordagens controversas com teor ofensivo a segmentos e grupos sociais, símbolos, tradições e costumes nacionais”.

“Tal leitura deve ser realizada pela equipe técnica que elabora o instrumento. Recomenda-se, ainda, que avaliadores externos atuem no processo de validação de conteúdo dos itens, de forma que a análise não perpasse aspectos formais e pedagógicos, mas temáticas que não se coadunam com os objetivos do exame”, continua o diretor. “Quando a leitura transversal é realizada por comissão externa, a equipe técnica responsável pelo instrumento deve oferecer subsídios que garantam a montagem do teste, esclarecendo os parâmetros psicométricos, o desenho esperado da prova e garantindo ao atendimento do rege a legislação e matriz de referência do exame”.

A comissão criada pelo Inep é uma resposta a críticas feitas no ano passado pelo então candidato Jair Bolsonaro, que, já eleito para a Presidência, disse que tomaria conhecimento das questões antes da prova.

De acordo com o documento publicado nesta quarta-feira (20) no “Diário Oficial da União”, “a leitura transversal é uma etapa técnica de revisão de itens”. Em nota, o Inep informou que nenhum item será descartado já que o processo de elaboração das questões é “longo e oneroso”. Ainda de acordo com o Inep, as questões consideradas “dissonantes” serão “separadas para posterior adequação, testagem e utilização, se for o caso”.

Três pessoas foram destacadas para trabalhar na leitura dos itens:

  • Marco Antônio Barroso Faria (secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC);
  • Antonio Maurício Castanheira das Neves (diretor de estudos educacionais do Inep);
  • Gilberto Callado de Oliveira (procurador de justiça de Santa Cataria, representante da sociedade civil).

Eles terão dez dias, a partir desta quarta (20), para concluir a avaliação e emitir uma recomendação sobre o uso ou não dos itens na montagem do exame. Depois, o diretor da Avaliação Básica fará outro parecer sobre as considerações da comissão. A decisão final ficará a cargo do presidente do Inep, Marcus Vinícius Rodrigues.

Segundo a portaria, “todas as atividades serão realizadas em Ambiente Físico Integrado Seguro (AFIS) do Inep”, que fica em Brasília, dentro da sede do Inep. Eles assinarão um termo de confidencialidade e sigilo.

Fonte Oficial: G1.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Notícias do Enem.

Comentários

Você talvez goste também de

Comissão vai revisar questões ideológicas do Enem – UOL

Nesta quarta-feira, 20 de março, o Instituto Nacional