Contra censura na escola, entidades criam manual com apoio do MPF – Educação – Último Segundo

Contra censura na escola, entidades criam manual com apoio do MPF – Educação – Último Segundo


Divulgação

Documento contra a censura, assinado por cerca de 60 entidades, vai na contramão do movimento Escola sem Partido

Em resposta à tramitação do projeto Escola Sem Partido
, que avança na Câmara dos Deputados, dezenas de entidades e organizações que trabalham em defesa da Educação lançaram, nesta segunda-feira (26), um manual de defesa contra práticas de censura nas escolas brasileiras. O documento tem como objetivo orientar professores e demais educadores em como evitar e reagir a situações de perseguição. 

O documento contra a censura
escolar é assinado por cerca de 60 entidades e recebe o apoio do Ministério Público Federal (MPF), além da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) e da Fundação Malala – organização criada pela paquistanesa Malala Yousafzai, ativista pelo direito à educação.

Completo, o manual possui 178 páginas e está  disponível gratuitamente
pelas entidades na internet. Esse documento é apresentado pelos organizadores como “uma resposta às agressões dirigidas a professores e escolas como estratégias de ataque de movimentos reacionários à liberdade de ensino e ao pluralismo de concepções pedagógicas, princípios previstos na Constituição Federal (1988)”.

Em resumo, o manual reúne uma série de dicas, pedagógicas e jurídicas, sobre como os profissionais de ensino podem agir quando encararem algum caso de intimidação – por parte de alunos, pais de estudantes, ou até por parte das instituições em que trabalham.

Além disso, logo nas primeiras páginas, o documento destaca que o “pluralismo” de ideias e a “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber” são direitos previstos na Constituição Brasileira.

Em contrapartida, o projeto Escola sem Partido
 avançou, na última semana, na Câmara. Em mais uma sessão tumultuada, com embates entre apoiadores e contrários à proposta, o parecer do relator, deputado Flavinho (PSC-SP), foi lido na quinta-feira (22). No entanto, a votação do PL na comissão foi adiada após pedido de vista coletivo por duas sessões do plenário da Câmara.

A expectativa do presidente da comissão, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), é de que o texto seja votado pelo colegiado na próxima quinta-feira (29). Por tramitar em caráter conclusivo, caso seja aprovado na comissão e não haja pedido para que o projeto seja analisado em plenário, o Escola sem Partido poderá seguir diretamente para o Senado Federal. No entanto, partidos da oposição estudam apresentar recursos para que o texto seja analisado pelo plenário da Câmara dos Deputados.

Além do manual, as entidades de Educação 
fizeram, nesta semana, um apelo ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que a Corte julgue como inconstitucional a Lei Escola Livre, de Alagoas, que tem os mesmos moldes do Escola sem Partido. Por enquanto, essa lei está suspensa, desde 2017, pelo ministro Luis Roberto Barroso.

De acordo com o Movimento Educação Democrática, em todo o Brasil, já existem, pelo menos, 181 projetos de lei em moldes semelhantes ao Escola sem Partido.

Leia também: MP reage a deputada do PSL que sugere censura a professores críticos a Bolsonaro

Com este pedido ao STF, as organizações dizem querer limitar “a escalada de ataques e perseguições a educadoras e educadores e de atos de censura
contra escolas em diversos municípios e estados brasileiros”. 

Fonte Oficial: Último Segundo.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Notícias do Enem.

Comentários

Você talvez goste também de

Conheça faculdades particulares em SP – Mundo Vestibular

São Paulo é a metrópole onde tudo acontece