UOL >> No Brasil, 44% dos estudantes de 15 e 16 anos trabalham, mostra ranking – Notícias

UOL >> No Brasil, 44% dos estudantes de 15 e 16 anos trabalham, mostra ranking – Notícias

Dados do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) divulgados nesta quarta (19) mostram que o Brasil é um dos seis países com maior taxa de jovens estudantes entre 15 e 16 anos no mercado de trabalho.

Segundo o levantamento da OCDE (Organização para Cooperação de Desenvolvimento Econômico), 43,7% dos jovens brasileiros nessa faixa etária declararam exercer algum tipo de trabalho remunerado em suas rotinas, antes ou depois de irem à escola. Com esse número, o Brasil fica atrás apenas da Tunísia (47,2%), da Costa Rica (45,3%), da Romênia (45,3%), da Tailândia (43,9%) e do Peru (43,8%).

O índice também é bastante superior à média dos países membros da OCDE, onde 23,3% desses jovens –ou seja, quase metade da média brasileira– disseram já trabalhar. Já o país com o menor índice é a Coreia do Sul (5,9%). O Pisa avaliou, no total, 72 países e territórios: 35 membros da OCDE (como Alemanha, Grécia e Chile) e 37 parceiros (como Argentina, Sérvia e Peru).

De acordo com a análise da OCDE, estudantes que exercem um trabalho remunerado tendem a apresentar um desempenho inferior em ciência do que aqueles que não trabalham. Eles também apresentam maior tendência em não se sentirem enquadrados no ambiente escolar, em deixar a escola antes do fim do ensino médio e em faltar ou chegar com atraso para as aulas com frequência.

No Brasil, a média dos alunos em ciência no Pisa está estagnada em 401 pontos, valor inferior ao dos estudantes dos países ricos, membros da OCDE, que é de 493 pontos.

Esta é a primeira vez que a OCDE divulga uma análise dos resultados do Pisa com foco em questões relacionadas ao bem-estar dos alunos, como a relação deles com colegas e professores, suas vidas em casa e como eles utilizam o tempo fora da escola. O estudo de 2015 avaliou 23.141 alunos brasileiros (de 841 escolas), com idades entre 15 anos e 16 anos, matriculados a partir do sétimo ano.

Mais de 80% dos estudantes brasileiros se sentem ansiosos em relação a uma prova

Em relação às tarefas da escola, os alunos brasileiros se dizem apreensivos: 80,8% afirmaram se sentir ansiosos em relação a uma prova ou teste, mesmo estando bem preparados. O número fica atrás apenas da Costa Rica (81,2%) e é bastante superior à média dos países da OCDE (55%). A Suíça é o país com o menor índice (33,5%).

Além disso, 56% dos alunos brasileiros dizem ficar muito tensos quando estudam, contra uma média de 36% dos países membros da OCDE. Em todos os países analisados pelo Pisa, as meninas apresentaram níveis de ansiedade maiores que os meninos.

Quase 18% dos alunos sofreram bullying

Em média, 17,5% dos estudantes brasileiros afirmaram ter sofrido algum tipo de bullying mais de uma vez em um mês, 9,3% disseram ter sido ridicularizados por colegas e 3,2% afirmaram ter apanhado ou terem sido empurrados por outros alunos.

As médias dos países membros da OCDE são, respectivamente, 18,7%, 10,9% e 4,3%. Hong Kong, na China, aparece em 1º lugar nesse ranking: 32,3% dos alunos afirmaram ter sofrido bullying de qualquer tipo, enquanto 26,1% disseram ter sido ridicularizados e 9,5% afirmaram ter sofrido violência física dentro da escola.

De acordo com a OCDE, a proporção de alunos que são vítimas de bullying é maior em escolas com altos índices de reprovação dos estudantes, onde alunos relatam que os professores tratam os estudantes de maneira injusta e também onde há má-disciplina em sala de aula.

O que é o Pisa

O Pisa busca medir o conhecimento e a habilidade em leitura, matemática e ciências de estudantes com 15 e 16 anos de idade tanto de países membro da OCDE quanto de países parceiros. Ele é corrigido pela TRI (Teoria de Resposta ao Item), método que é utilizado também na correção do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio): quanto mais distante o resultado ficar da média estipulada, melhor (ou pior) será a nota.

A avaliação já foi aplicada nos anos de 2000, 2003, 2006, 2009 e 2012. A cada ano é dada uma ênfase para uma disciplina: em 2015, o foco foi em ciências, que concentrou o maior número de questões do exame.

Fonte Oficial: https://educacao.uol.com.br/noticias/2017/04/19/no-brasil-44-dos-estudantes-de-15-e-16-anos-trabalham-mostra-ranking.htm.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Notícias do Enem.

Comentários

Você talvez goste também de

Inscrições abertas para o Vestibular 2019/2 do IFRS – UOL

O Instituto Federal do Rio Grande do Sul